quarta-feira, 14 de maio de 2008

Sete anos de pastor...

Sete anos de pastor Jacob servia
Labão, pai de Raquel, serrana bela;
Mas não servia ao pai, servia a ela,
E a ela só por prémio pretendia.

Os dias, na esperança de um só dia,
Passava, contentando-se com vê-la;
Porém o pai, usando de cautela,
Em lugar de Raquel lhe dava Lia.

Vendo o triste pastor que com enganos
Lhe fora assi negada a sua pastora,
Como se a não tivera merecida;

Começa de servir outros sete anos,
Dizendo: – Mais servira, se não fora
Para tão longo amor tão curta a vida!

Luiz Vaz de Camoens

3 comentários:

Raquel disse...

Este poema é lindo! Sempre gostei porque tinha o meu nome, mass gosto da forma como o Camões contou a história, bíblica :D

Miguel Pires Prôa disse...

É mesmo, Raquel! Eu acho que este soneto é um autêntico conto!

Raquel disse...

podes crer! nunca tinha pensado nisso, mas tem conflito e resolução! perfeito :D